Notícias

Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto, na mostra virtual Ocupa/ia

A partir de 12 de julho, três novos artistas ocupam os canais digitais do ia

Quem acompanhou as redes sociais e canais virtuais do ia - Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto nas últimas semanas teve a oportunidade de conferir obras e processos de artistas selecionados para programa de mostras virtuais Ocupa/ia. Na segunda etapa do projeto, a partir de 12 de julho, os próximos três artistas, que participaram do Programa de Residência IAÍ, vão ocupar as redes (Facebook e Instagram) do Instituto.

De 12 a 16 de julho quem se apresenta é Efe Godoy, artista visual míope, transvestigenero que pesquisa hibridismo em suas variadas linguagens (vídeo, desenho, performance) com ênfase em recortes de memórias da infância e fabulações espontâneas.

Para ela, a experiência de participar de uma ocupação e residência durante um período pandêmico é uma forma de deixar viva a força de pesquisa e criação dentro do ateliê e da vida de cada pessoa artista. “Não podemos desistir de criar poesia para o mundo, principalmente poesia crítica. Foi bem mágico ter todos os acompanhamentos e encontros proporcionados pelo ia. Artista precisa de residência!”, completa.

Na semana seguinte, de 19 a 23 de julho, quem toma conta das redes é a artista Massuelen Cristina. A artista destaca que experiências como o Ocupa/ia faz com que as pessoas repensem algumas questões em relação à arte e se adaptem a novas formas de consumir arte. Ela está desenvolvendo uma série de fotos e vídeo-performance que traz questionamentos sobre a corporeidade preta em relação ao sincretismo religioso e a Umbanda.

“É de grande relevância pela visibilidade, pelas possibilidades que as redes sociais permitem se apresentar enquanto artista. Participar desse projeto é muito importante pra mim, pelas portas abertas que o IA sempre deixa, pela maneira como a instituição abraça as nossas criações e quer fazer diferente na construção da arte contemporânea. É uma maneira de dar voz aos artistas e mostrar o que estamos fazendo e pensando sobre arte, principalmente nesse momento pandêmico”, ressalta.

Para finalizar a programação do mês, a artista visual e pesquisadora Bárbara Mol apresenta sua arte entre 26 e 30 de julho. A proposta “a torto e direito” – sobre o direito ao tortuoso como forma entre os imaginários do barroco, do cerrado e de outras vias em Ouro Preto, pretende criar uma narrativa iconográfica do tortuoso.

Durante a ocupação online do IA, a pesquisa artística vai coletar e recriar formas e objetos estéticos tomados do meio barroco patrimonial, do urbano-periférico e cerrado de Ouro Preto. A ideia é que se faça ver a questão plástica e formal do tortuoso, enquanto elemento estético ainda vivo, sendo uma reabertura crítica as imagens da história, da cidade e do tempo.

 

Sobre o Ocupa/ia

Em resposta aos desafios decorrentes do COVID-19 e seus efeitos no setor cultural, o ia - Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto dá início ao Ocupa/ia, com mostras digitais de artes visuais.

Colocando em debate a efetividade dos meios digitais e a problemática de acessibilidade e temporalidade, o Ocupa/ia explora novas formas de habitar o virtual, incentivando a exposição de trabalhos a partir dessa perspectiva. “Pensamos essa iniciativa para dar apoio à comunidade artística, com o objetivo de amenizar os efeitos econômicos e sociais deste momento de pandemia. Nesse sentido, o IA dá continuidade à sua missão, abraçando a diversidade social, econômica, de gêneros e vivências”, explica a presidente Bel Gurgel.

O programa tem como objetivo questionar a forma que as redes sociais podem colaborar com mostras e criar outras maneiras de produzir e estar no mundo, evidenciar territórios invisíveis e fazer circular arte.

O Ocupa/ia adota a ideia de tornar as redes digitais das instituições artísticas como meio de reaproximação do ambiente físico. A ampliação do conceito de espaço é a “cocriação” das redes sociais, o espaço público expandido. É a forma de descentralizar e romper com uma circulação da arte focada apenas no eixo Rio-São Paulo. Cocriar é provocar a existência, continuar construindo sobre a ideia do outro e vice-versa, sem as travas do passado.

“Atualmente pretendemos formar um acervo digital, não físico. O ‘contemporâneo’ é o clique, o efêmero e nossas propostas vêm de encontro a esse pensamento. O Ocupa/ia visa ampliar os horizontes do espaço digital por meio da arte neste momento pandêmico tendo a rede social como alicerce. E, num futuro breve, a ocupação tende a ser, paralelamente à digital, também urbana nas cidades de Ouro Preto, Mariana e região, sugerindo uma revisitação às cidades do passado, um novo ciclo”, completa Bel Gurgel.

Ao longo do projeto os artistas, selecionados via convocatória, se apresentam, falam de seu processo criativo, mostram a obra em si e contam sobre sua visão de arte dentro da pandemia. Após esta etapa, mais três artistas entrarão na programação, que encerra dia 20 de agosto.

 

Sobre as artistas:

Efe Godoy

Artista visual míope, transgenere que pesquisa hibridismo em suas variadas linguagens (vídeo, desenho, performance) com ênfase em recortes de memórias da infância e fabulações espontâneas. Efe Godoy, natural cidade Sete Lagoas/MG, hoje vive e trabalha em Belo Horizonte. Passeou pela Escola Guignard UEMG e continua formação através de vivências em residências no Brasil e exterior. Algumas dessas vivências transformadoras se deram nos últimos anos, como Bolsa Pampulha 2015/2016, a residência artística no EAC - Montevideo_UY em 2018, residência Adelina _SP, 2018, e recentemente: HEMIENCUENTRO _ INSTITUTO HEMISPHERIC NY UNIVERSITY na Cidade do México, 2019, e mostra VERBO de performance Arte na Galeria Vermelho - SP. De uma maneira simples tenta interferir na vida das pessoas com a reverberação do afeto. Efe interage nas redes sociais estreitando os espaços intimos vida e arte.

 

Massuelen Cristina

Artista Visual nascida na cidade de Sabará, Minas Gerais, bacharel em Psicologia e tecnóloga em Artes Visuais. Seu trabalho perpassa por várias linguagens onde busca explorar as diferentes formas de ver, ser e estar no mundo ocupando e criando espaços de diálogo sobre o lugar do sujeito e o tempo que configura a memória e o afeto. Pesquisadora da corporeidade e catarse afrodiaspórica busca demonstrar através de signos e significados as escrevivências e oralidades que permeiam sua ancestralidade.

 

Bárbara Mol

Bárbara Mol (1986-) é artista visual e pesquisadora em arte contemporânea, moradora de Ouro Preto. Atua como educadora, escritora, artista plástica e visual. Realiza exposições coletivas e desenvolve pesquisa autoral e independente. Realizou doutorado-sanduíche pela Université Sorbonne Nouvelle Paris 3. É doutora e mestre em artes pela Universidade Federal de Minas Gerais.

 

Sobre ia - Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto

ia - Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto tem por sua natureza fomentar o encontro e intercâmbio entre a população de Ouro Preto, artistas e artesãos locais e agentes do campo da arte de outras regiões. embate entre tradição (representada pelo esplendor barroco da cidade patrimônio cultural da humanidade) e a contemporaneidade (com foco no caráter efêmero da arte contemporânea) constitui a essência do IA, a partir de quatro pilares principais: a troca entre diferentes atores sociais, o diálogo entre linguagens artísticas distintas e entre o passado, o presente e o futuro, a desconstrução do status quo que subjuga a arte ao mercado e a tendências regidas pelo mercado e a decolonização, como forma de se criar e produzir arte contemporânea, a partir da reverência, reconhecimento e legitimação de epistemis e práticas culturais, sociais e políticas da América Latina e do Brasil, especificamente.

 

SERVIÇO:

Ocupa/ia
De 12/07 a 16/07 - Efe Godoy (@efegodoy)

De 19/07 a 23/07 - Massuelen Cristina (@massucristina)

De 26/07 a 30/07 - Bárbara Mol (@bcaramol)

https://ia.art.br/

https://www.instagram.com/iaouropreto/

https://www.facebook.com/iaouropreto

 

Foto: Divulgação

Selecionamos os melhores fornecedores de BH e região metropolitana para você realizar o seu evento.